Categorias
Blog

Assista ao robô Atlas da Boston Dynamics dominando um novo campo de Parkour

No final de 2020, a Boston Dynamics lançou um vídeo animador, impossível de assistir sem sorrir, de seus robôs fazendo uma rotina de dança coordenada. Atlas, Spot e Handle tiveram alguns movimentos muito legais, embora, se estamos sendo honestos, Atlas foi o único (ou, neste caso, dois) que realmente roubou o show.

Um novo vídeo lançado ontem mostra o robô humanóide bípede roubando o show novamente, embora de uma forma que provavelmente não fará você rir tanto. Dois Atlases navegam em um percurso de parkour, completo com pulos para dentro e entre caixas de diferentes alturas, deslizando para baixo em uma trave de equilíbrio e jogando back flips sincronizados.

A grande questão que pode estar na mente de muitos espectadores é se os robôs estão realmente navegando no curso por conta própria – tomando decisões em tempo real sobre quão alto saltar ou quão longe estender um pé – ou se eles são pré-programados para executar cada movimento de acordo com um mapa detalhado do curso.

Como os engenheiros explicam em um segundo novo vídeo e postagem no blog que o acompanha, é uma combinação de ambos.

O Atlas é equipado com câmeras RGB e sensores de profundidade para dar “visão”, fornecendo entrada para seu sistema de controle, que é executado em três computadores. No vídeo de dança vinculado acima e nos vídeos anteriores de Atlas fazendo parkour, o robô não estava sentindo seu ambiente e adaptando seus movimentos de acordo (embora tenha feito ajustes no momento para manter o equilíbrio).

Mas na nova rotina, diz a equipe do Boston Dynamics, eles criaram comportamentos de modelo para o Atlas. O robô pode combinar esses modelos com seu ambiente, adaptando seus movimentos com base no que está à sua frente. Os engenheiros tiveram que encontrar um equilíbrio entre os objetivos de “longo prazo” para o robô – ou seja, percorrer todo o curso – e os objetivos de “curto prazo”, como ajustar seus passos e postura para não tombar. Os movimentos foram refinados por meio de simulações de computador e testes de robôs.

“Nossa equipe de controle precisa criar algoritmos que possam raciocinar sobre a complexidade física dessas máquinas para criar um amplo conjunto de alta energia e comportamento coordenado”, disse Scott Kuindersma, líder da equipe da Atlas. “Trata-se realmente de criar comportamentos nos limites das capacidades do robô e fazer com que todos trabalhem juntos em um sistema de controle flexível.”

Os limites das capacidades do robô eram frequentemente alcançados durante a prática do novo curso de parkour, e obter uma gravação perfeita exigia muitas tentativas. O vídeo explicativo inclui erros de gravação de Atlas caindo de cara – para não mencionar na cabeça, estômago e costas, enquanto ele gira sub-girando, cruza os pés enquanto corre e calcula mal a distância que precisa cobrir nos saltos.

Eu sei que é um robô, mas você não pode deixar de se sentir meio mal por ele, especialmente quando seus pés erram a plataforma (por muito) em um salto e toda a parte superior de seu corpo se choca contra a plataforma, enquanto suas pernas balançam em direção o solo, em um movimento que feriria gravemente um humano (e faz você se perguntar se o Atlas sobreviveu com seu hardware intacto).

Em última análise, o Atlas é uma ferramenta de pesquisa e desenvolvimento, não um produto que a empresa planeja vender comercialmente (o que provavelmente é bom, porque apesar de parecer legal fazer parkour, eu, por exemplo, ficaria mais do que um pouco cauteloso se encontrasse esse humano em forma de pedaço de eletrônicos vagando em público).

“Acho difícil imaginar um mundo daqui a 20 anos, onde não existam robôs móveis capazes que se movam com graça, confiabilidade e trabalhem ao lado de humanos para enriquecer nossas vidas”, disse Kuindersma. “Mas ainda estamos nos primeiros dias de criação desse futuro.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *