Categorias
Blog

Cientistas querem combater a mudança climática bloqueando o sol com poeira

Nos últimos anos, os cientistas bolaram alguns esquemas bastante malucos em nome da proteção da Terra e de seus habitantes. Desde a construção de uma parede subaquática com 120 quilômetros de comprimento para tentar salvar uma geleira a nuvens semeando uma área três vezes o tamanho da Espanha para aumentar as chuvas, parece que não existe projeto estranho demais para pelo menos considerar – se não colocado em ação.

Agora, há outro projeto desse tipo para adicionar à lista. O Experimento de perturbação estratosférica controlada – ScoPEx – está em andamento desde 2014. A ideia geral do ScoPEx é liberar poeira suficiente (não tóxica) na atmosfera superior para bloquear parte da luz solar que atinge a Terra, produzindo um efeito de resfriamento para compensar as mudanças climáticas causadas pelo homem.

O projeto está sendo executado pelo Grupo de Pesquisa Keutsch da Universidade de Harvard e se prepara para uma etapa importante em seu processo de pesquisa: um voo teste que está programado para ocorrer na Suécia em junho.

Se você está pensando que essa ideia parece questionável, você não está sozinho. Mas vamos discutir alguns dos detalhes de como isso funcionaria antes de chegar às questões éticas que estão por trás de tudo.

Levante e solte
O projeto usará um balão de alta altitude para erguer um pacote de 20 km (12 milhas) de equipamento científico na atmosfera. Lá, a embalagem liberaria de 100 g a 2 kg de carbonato de cálcio, uma poeira mineral comum, para cobrir uma área de cerca de 1 km de comprimento por 100 metros de diâmetro. O equipamento no balão mede então as mudanças no ar circundante, incluindo densidade do aerossol, química atmosférica e dispersão de luz.

 Crédito: Keutsch Group at Harvard

De acordo com o site do projeto, o carbonato de cálcio tem “propriedades ópticas quase ideais”. Isso significa que, para uma determinada quantidade de luz solar refletida, ela absorveria muito menos radiação do que os aerossóis de sulfato e, portanto, causaria menos aquecimento estratosférico. O carbonato de cálcio é encontrado na natureza como calcário e é um aditivo comum para produtos de consumo como papel e pasta de dente. Uma vez que não existe naturalmente na estratosfera, porém, os cientistas não sabem realmente como ele reagiria lá, o que significa que pesquisas e experimentos adicionais são necessários.

No mês passado, a Swedish Space Corporation concordou em ajudar a equipe de Harvard a lançar um balão perto de uma cidade ártica na Suécia chamada Kiruna. O lançamento deveria ocorrer originalmente nos Estados Unidos, mas foi movido “em parte por causa das restrições americanas causadas pelo coronavírus”, de acordo com a Reuters. Este lançamento não vai liberar poeira; seu objetivo é simplesmente testar o manuseio do balão e seus sistemas operacionais e de comunicação. Se for bem-sucedido, uma etapa subsequente incluiria a liberação de uma pequena quantidade de carbonato de cálcio na estratosfera.

O financiamento do ScoPEx vem do Programa de Pesquisa Solar de Geoengenharia da Harvard, cujo um dos doadores filantrópicos é Bill Gates. O financiamento, neste caso, vem de Gates como um indivíduo, não da Fundação Bill & Melinda Gates, que doou milhões para causas globais como eliminação da pobreza e combate a doenças infecciosas.

Brincando com a Mãe Natureza
Os projetos de geoengenharia de grande escala tendem a ser controversos, não apenas pelo seu impacto potencial no meio ambiente e nas pessoas, mas pelas questões éticas que levantam.

O sol é a fonte de vida mais fundamental que temos (talvez rivalizado apenas com a água). Além de tornar a Terra quente o suficiente para ser habitável, ele dá às plantas a energia de que precisam para a fotossíntese, formando uma peça crucial da cadeia alimentar. Como descrito no A Meeting With the Universe, da NASA, “Sem o calor e a luz do Sol, a Terra seria uma bola sem vida de rocha coberta de gelo. O Sol aquece nossos mares, agita nossa atmosfera, gera nossos padrões climáticos e fornece energia para as plantas verdes em crescimento que fornecem alimento e oxigênio para a vida na Terra. ”

É estranho, então, pensar que a humanidade poderia tentar controlar esta força incrível, tanto no sentido de ter o conhecimento científico e capacidade para fazer isso quanto de ser ousada o suficiente para ir em frente.

No entanto, a natureza sempre será mais poderosa do que os homens, não importa o quanto a ciência avance. Se a natureza está constantemente tentando manter um delicado equilíbrio de recursos, parece fundamentalmente errado para a humanidade mexer com esse equilíbrio. Mas, se antes de mais nada, perdemos o equilíbrio, onde isso nos deixa em termos de direito – ou responsabilidade – de mexer?

Como dito por Thomas Hornigold em um artigo relacionado, “Se os humanos decidirem que podemos simplesmente criar saídas dos problemas que criamos pela destruição ambiental desenfreada e industrialização galopante, podemos acabar não nos concentrando em reduzir as emissões de carbono e viver de forma mais sustentável. ”

Em outras palavras, se pensamos que podemos “criar fugas científicas” de qualquer bagunça que fizermos, não temos incentivo para parar de bagunçar. E uma confusão parece ser o que temos em mãos com a atual situação climática.

Provavelmente, existem soluções melhores do que borrifar toneladas de poeira no espaço para bloquear o sol. Mas por mais louca que pareça a ideia, não vamos descartá-la tão rapidamente; pode ser que precisemos de todas as ferramentas da caixa.

Singularity Hub.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *