Categorias
Blog

Nova pesquisa mostra como a dopamina desempenha um papel fundamental na consciência

A consciência é indiscutivelmente o tópico científico mais importante que existe. Sem consciência, afinal não haveria ciência. Mas embora todos nós saibamos o que é estar consciente – o que significa que temos consciência pessoal e reagimos ao mundo ao nosso redor – acabou sendo quase impossível explicar exatamente como isso surge no hardware do cérebro. Isso é apelidado de problema “difícil” da consciência.

Resolver o difícil problema é uma questão de grande curiosidade científica. Mas até agora, ainda não resolvemos os problemas “fáceis” de explicar quais sistemas cerebrais dão origem a experiências conscientes em geral – em humanos ou outros animais. Isso é de grande importância clínica. Os distúrbios de consciência são uma consequência comum de lesão cerebral grave e incluem coma e estados vegetativos. E todos nós experimentamos perda temporária de consciência quando sob anestesia durante uma operação.

Em um estudo publicado no Proceedings of the National Academies of Science, mostramos agora que a atividade cerebral consciente parece estar ligada à “substância química do prazer” do cérebro, a dopamina.

O fato de os mecanismos neurais que sustentam os distúrbios da consciência serem difíceis de caracterizar torna essas condições difíceis de diagnosticar e tratar. As imagens cerebrais estabeleceram que uma rede de regiões cerebrais interconectadas, conhecida como rede de modo padrão, está envolvida na autoconsciência. Esta rede também mostrou ser prejudicada na anestesia e após danos cerebrais que causam distúrbios de consciência. É importante ressaltar que parece ser crucial para a experiência consciente.

Alguns pacientes, entretanto, podem parecer inconscientes, quando de fato não estão. Em um estudo marcante em 2006, uma equipe de pesquisadores mostrou que uma mulher de 23 anos, que sofreu grave trauma cerebral e que se pensava estar em estado vegetativo após um acidente de trânsito, tinha sinais de consciência. O paciente foi convidado a se imaginar jogando tênis durante uma varredura cerebral (fMRI) e os cientistas viram que as regiões do cérebro envolvidas nos processos motores foram ativadas em resposta.

Da mesma forma, quando ela foi solicitada a se imaginar andando pelos cômodos de sua casa, regiões do cérebro envolvidas na navegação espacial, como o córtex parietal posterior, tornaram-se ativas. O padrão de ativação que ela mostrou era semelhante ao de pessoas saudáveis, e ela foi considerada como tendo consciência, embora isso não fosse perceptível na avaliação clínica clássica (não envolvendo varreduras cerebrais).

Outra pesquisa encontrou efeitos semelhantes em outros pacientes em estado vegetativo. Este ano, um grupo de cientistas, escrevendo na revista Brain, alertou que um em cada cinco pacientes em estado vegetativo pode de fato estar consciente o suficiente para seguir comandos durante varreduras cerebrais – embora não haja consenso sobre isso.

A Química do Cérebro Envolvida na Consciência
Então, como podemos ajudar essas pessoas? O cérebro é mais do que apenas uma congregação de diferentes áreas. As células cerebrais também dependem de vários produtos químicos para se comunicarem com outras células, permitindo uma série de funções cerebrais. Antes de nosso estudo, já havia evidências de que a dopamina, bem conhecida por seu papel na recompensa, também desempenha um papel nos distúrbios de consciência.

Por exemplo, um estudo mostrou que a liberação de dopamina no cérebro é prejudicada em pacientes com consciência mínima. Além disso, uma série de estudos em pequena escala mostraram que a consciência dos pacientes pode melhorar dando-lhes medicamentos que agem por meio da dopamina.

A fonte de dopamina no cérebro é chamada de área tegmental ventral (VTA). É dessa região que a dopamina é liberada para a maioria das áreas do córtex. Em nosso estudo recente, mostramos que a função dessa fonte de dopamina no cérebro é prejudicada em pacientes com distúrbios de consciência e também em pessoas saudáveis ​​após a administração de um anestésico.

Em pessoas saudáveis, descobrimos que a função do VTA foi restaurada após a retirada da sedação. E as pessoas com consciência reduzida que melhoraram com o tempo também recuperaram parte da função VTA. Além disso, a disfunção da dopamina foi associada a uma disfunção na rede de modo padrão, que já sabemos ser a chave na consciência. Isso sugere que a dopamina pode realmente ter um papel central na manutenção de nossa consciência.

O estudo, realizado na Divisão de Anestesia da Universidade de Cambridge, também mostra que o uso de medicamentos atuais e futuros, que atuam sobre a dopamina, deve ajudar a melhorar nosso entendimento sobre a anestesia. Surpreendentemente, embora a anestesia com éter tenha sido usada pela primeira vez em cirurgia no Massachusetts General Hospital em 1846, os processos específicos de como os anestésicos gerais agem em vários locais para produzir a ação anestésica permanecem um mistério.

Mas o aspecto mais empolgante dessa pesquisa é, em última análise, que ela dá esperança de melhores tratamentos para os distúrbios da consciência, usando drogas que agem sobre a dopamina.

Texto originalmente publicado no SingularityHub.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *