Categorias
Sem categoria

O lifelong learning e o futuro do aprendizado básico

No século passado, a humanidade fez grandes avanços para melhorar o acesso à educação infantil. Hoje, mais de 91% das crianças do mundo estudam no ensino fundamental. O número é promissor. No entanto, ainda existem 57 milhões delas sem acesso ao aprendizado básico.

Ainda temos um longo caminho pela frente para repensar o futuro da educação. Hoje, os desafios mais prementes incluem aprimorar a qualidade do ensino básico e assegurar que todas as crianças recebam educação.

A qualidade da educação varia de lugar para lugar ao redor do mundo. Tais disparidades são aprofundadas por inúmeros fatores, incluindo professores mal preparados, falta de infraestrutura e currículos desatualizados. Outro desafio é a metodologia baseada na memorização e na repetição de conteúdo.

Além disso, dependendo do local, o contexto socioeconômico pode interferir na capacidade de aprendizado – os problemas vão da subnutrição às doenças infantis, até questões de saúde mental e violência, além da impossibilidade de pagar as mensalidades escolares.

Boa parte das crianças que não frequentam a escola vivem na África Subsaariana, em zonas de conflito ou de guerra, em áreas rurais sem meios de transporte. Além dessas dificuldades, elas também enfrentam outros desafios culturais, como as restrições de aprendizado que algumas regiões ainda impõem às meninas.

O abismo educacional tende a ficar ainda maior em um mundo cada vez mais orientado pela velocidade das transformações tecnológicas e econômicas – e um futuro onde os empregos sofrerão mudanças igualmente rápidas.

Trata-se de um cenário onde todas as pessoas precisarão continuar aprendendo ao longo da vida, complementando a chamada educação formal. Será cada vez mais importante, portanto, se mostrar s flexível para equilibrar o atendimento às nossas necessidades básicas, sem deixar de encontrar estímulo e propósito no aprendizado e no trabalho.

*Texto traduzido e adaptado do Guia Exponencial do Futuro do Aprendizado, da Singularity University

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *